Escolha uma Página

PASSEIO FOTOGRÁFICO TRILHA DOS TUCANOS

Coordenado pelo fotógrafo Edeson Souza, é um dos grupos mais antigo de Sorocaba, pois organiza passeios há mais de 30 anos. no dia 31 de março de 2019, para a Trilha dos Tucanos na cidade de Tapirai, SP, com orientação técnicas dos fotógrafos Edeson Souza, Carlos Maritano e Edvania Moreira.

Os nossos passeios fotográficos proporcionam o encontro de fotógrafos amadores e profissionais. Os locais e temas escolhidos se relaciona com a natureza, o homem e patrimônio histórico cultural. Com objetivo de aguçar o olhar fotográfico, praticando as técnicas fotográficas, desenvolvendo a criatividade, sensibilidade, conscientização pessoal e, o melhor, fazer novas amizades.

Inscreva-se no final da página.

Quando: 31/03/2019 – Domingo
Custo por pessoa:

R$ 180,00, sendo 50% para a reserva da vaga e 50% no dia do passeio

Incluso: Transporte, água, monitoria, Day Use e almoço
Horário de saída 07h
Horário da volta: 17h
Forma de pagamento:

Transferência bancária

Banco Itaú – Ag. 7169 – C/C 03987-7

Número máximo: 15 pessoas
Local de saída:

Grupo Imagem

Rua Jouberte Wey, 42  – Sorocaba – SP

Localizada na serra Paranapiacaba, a propriedade apresenta flora e fauna bastante preservadas e várias trilhas para os amantes da natureza em especial os observadores de aves. Com muita palmeira Jussara e outras árvores frutíferas nativas da Mata Atlântica já foram identificadas mais de 130 espécies de pássaros em nossas trilhas.

Lá você encontra:
  • Trilhas auto-guiadas na Mata Atlântica preservada.
  • Mais de 300 espécies de aves.
  • Comedouros e bebedouros espalhados pela pousada.
  • Hospedagem aconchegante em chalés e apartamentos.
  • Delicioso café da manhã, almoço e jantar.
  • Descanso, paz e contato com a natureza.

A observação de aves é o passeio de ecoturismo que tem como objetivo observar as aves em seu habitat natural, sem interferir no seu comportamento ou no seu ambiente. Tal roteiro constitui uma forma legítima de exploração ecoturística das áreas naturais, visto ser uma prática de baixo impacto.

O público que procura este tipo de atividade é um público específico que possui alto grau de consciência ambiental, estando atento e adotando seriamente as práticas de mínimo impacto em ambientes naturais. Lugares que possuem vocação natural para a exploração dessa atividade são áreas naturais em bom estado de conservação, com boa infraestrutura receptiva e que já possuam catalogadas as espécies de aves que ocorrem na área.

Em geral, os roteiro de observação de aves são desenvolvidos primordialmente em trilhas e horários distintos dos utilizados no programa turístico normal, e são acompanhados por um guia especializado.

A observação de aves é uma atividade antiga em diversos países, no Brasil vem se popularizando com a era digital das câmeras fotográficas, estima-se que no Brasil existam cerca de 50.000 mil praticantes, mas, em países como os Estados Unidos os números chegam a marca dos 70 milhões.

De olho nesses números, o Turismo brasileiro de Observação de aves, vem crescendo a cada dia, no Brasil existe cerca de 1.901 aves catalogadas, segundo o CBRO – Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos, tornando o 2º País no ranking mundial de espécies.

Outro fator importante é a Diversidade de espécies, muitas delas endêmicas, ou seja, só encontradas no Brasil, nos mais diferentes Biomas (Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa, Pantanal e Manguezal), além de um Bioma marinho.

Uma alternativa para atrair aves para mais próximo, é a instalação de comedouros próximos ao seu ambiente natural.

Na trilha dos tucanos é possível observar diversas espécies de aves, em diversos comedouros espalhados pela sede e arredores, que são abastecidos pela manhã e tarde, proporcionando alimento durante todo o dia, especialmente no inverno, quando há muita escassez de alimento na Mata Atlântica, atraindo espécies que habitualmente não frequentam os bebedouros em outras épocas do ano.

Se você se mover devagar e com muita tranqüilidade, as aves permitem uma boa aproximação. Aves acostumadas com comedouros e bebedouros passam a não se incomodar mais com as pessoas.

Todos os comedouros possuem poleiros próximos para as aves pousarem, tornando as fotografias mais naturais e um local para descansarem. Os comedouros principais são abastecidos com Frutas e raízes frescas, atraindo espécies frugívoras como: Periquito-rico (Brotogeris tirica), Tiriba-de-testa-vermelha (Pyrrhura frontalis), Sanhaçu-de-encontro-azul (Tangara cyanoptera), Sanhaçu-de-encontro-amarelo (Tangara ornata), Saíra-sete-cores (Tangara seledon), dentre outras.

Os comedouros secundários, são abastecidos com diversos tipos de sementes e grãos, atraindo várias espécies granívoras como: Pimentão (Saltator fuliginosus), Tico-tico-do-mato (Arremon semitorquatus), Trinca-ferro-verdadeiro (Saltator similis), Juriti-gemedeira (Leptotila rufaxilla), dentre outras. Também possui visão privilegiada, possibilitando tirar fotos das aves de dentro da sede, enquanto se aprecia um delicioso café da manhã.

35 número de espécies que frequentam comedouros

Trilha dos Tucanos

principal trilha, é composta por área aberta com diversas espécies de árvores, dentre elas podemos citar as Palmeiras Juçaras (Euterpe edulis), que consistem em verdadeiros comedouros naturais, seus frutos são muito apreciados pelas aves, especialmente no inverno, onde diversas espécies frequentam a trilha para se alimentarem.

A trilha tem início na sede, e vai se elevando, até chegar ao ponto mais alto, onde é possível observar rapinantes como o gavião-pega-macaco (Spizaetus tyrannus) em pleno voo, diversas espécies de tucanos, araçaris e surucuás.

Trilha do Surucuá

trilha tem início na sede, passa pelos chalés em direção ao lago (utilizado para pesca), e é composta de área aberta no começo, onde é possível encontrar ninhos de pica-pau-rei (Campephilus robustus)e de outras espécies. Se tiver sorte é possível encontrar no lago mamíferos como a anta (Tapirus terrestris) e a ariranha (Pteronura brasiliensis) e aves como o matracão (Batara cinerea).

Após o lago inicia-se a parte de mata fechada, com aclives e declives, onde é possível encontrar (03) três espécies de surucuás: surucuá-de-barriga-amarela (Trogon rufus), surucuá-grande-de-barriga-amarela (Trogon viridis) e surucuá-variado (Trogon surrucura),  além de aves, tais como barbudo-rajado (Malacoptila striata) e diversas espécies plantas, bromélias e árvores.

Trilha do Tangará

segunda trilha mais extensa, tem início na porteira da sede, sendo margeada pela mata e um córrego que desemboca no Rio do Cedro. A trilha é composta de área florestal aberta e fechada, onde através de uma pequena ponte é possível acessar a trilha do macuco e também a trilha da Juruva.

No caminho é possível encontrar uma das grandes atrações da Trilha dos Tucanos, a Maria-leque-do-sudeste (Onychorhynchus swainsoni), espécie vulnerável e ameaçada de extinção, que nidifica apenas em locais onde possui água cristalina e mata preservada.

Também é possível encontrar diversas espécies de aves, como o Tangará (Chiroxiphia caudata), Tangarazinho (Ilicura militaris), Olho-falso (Hemitriccus diops), entre outras espécies de animais e plantas.

Trilha do Macuco

mais extensa trilha, tem seu início na sede e segue em direção a trilha do Tangará, sendo margeada por um córrego e pela mata. Possui alguns aclives e declives que podem ser superados com total segurança durante o caminho.

Na trilha é possível encontrar diversas espécies de aves, como o Macuco (Tinamus solitarius), Tovaca-campainha (Chamaeza campanisona), Pinto-do-mato (Hylopezus nattereri), Galinha-do-mato (Formicarius colma), dentre outras.

Possui grande diversidade e variedade de aves e também é possível encontrar mamíferos de pequeno porte como o esquilo Caxinguelê (Sciurus aestuans) e répteis.

Trilha do Juruva

trilha de menor extensão, porém, a de maior altitude, tem início a partir da trilha do Tangará, é composta de um aclive durante toda a extensão, tendo em volta mata fechada e aberta.

É possível encontrar diversas espécies de aves, como Tapaculo-preto (Scytalopus speluncae) , Entufado (Merulaxis ater), Pariri (Geotrygon montana), Capitão-de-saíra (Attila rufus), dentre outras.

No entrocamento da trilha do Tangará, existem diversas árvores frutíferas que atraem várias aves, como a Saíra-militar (Tangara cyanocephala) , Saíra-sete-cores (Tangara seledon) e outros Thraupideos.

Pela manhã, se estiver com sorte, é possível avistar a graciosa Juruva-verde (Baryphthengus ruficapillus).

Saiba mais: http://www.trilhadostucanos.com.br

 

INSCREVA-SE


quero participar


WhatsAppInstagramFacebookGoogleAnúncioIndicação